terça-feira, 20 de outubro de 2009

Saramago...Recadinho


Rabiscos Vieira


Por CAIM em diagonal, como cão em vinha vindimada. Escrita típica do nosso nóbel literário. Não me comove, não me faz “morrer de amores por”, porque manifestamente Saramago não é Sena, não é Maria Gabriela Llansol, não é Ruben A, não é Vergílio Ferreira . Um bom escritor, não um grande, um enorme escritor, na modesta opinião de quem já leu alguma coisinha de Saramago.

E por falar em Vergílio Ferreira, esta recente polémica iniciada com frases indefiníveis de Saramago, quer pelo tom, ignorância, confusão do sagrado e do humano-profano, descontextualização histórica, fez-me de rompante ir aos confins da memória e recordar dois belíssimos textos do citado Vergílio no “Pensar” que se aplicam ao nosso nóbel que nem luva em mão fina:


“72 Estás velho. Já é difícil ouvirem-te. Vê se falas mais alto, por sobre a tua bronquite, a gaguez cerebral, o impossível asseio, a gosma, o ofego respiratório, os passinhos miúdos, as mãos frias, o risinho em falsete de tolinho, as lembranças chilras, o relógio das horas da papa, as almofadas da tua cabeceira, a manta para o frio mortal, as pantufas mesmo no Verão, o escarrador e o penico, e talvez o respeito veneração obrigado — vê se falas mais alto por cima disso tudo e talvez te ouçam. E talvez conquistes ainda a ilusão de que és comunitário.”


59 Decerto há várias razões que expliquem a redução mental de um velho. E entre elas, naturalmente, a do seu esgotamento. Concebe-se uma ideia, expõe-se, e ela reduz logo, por exposta, o nosso capital mental. (...) Não apenas porque é uma fracção do que se concebeu, mas ainda porque ela já lhe não pertence. Repeti-la, expô-la, é abdicar dela em favor dos outros, que naturalmente já a têm sem o saber. Se a ideia tem um percurso a fazer, ela está a realizar-se e a ser funcional onde os outros a esperavam. Mas uma ideia num velho não tem a ver apenas com isso. Muito mais profundamente, ela tem que ver com a presença da morte. (...) Ora a morte é o pano de fundo de um velho, contra o qual se define todo o seu tecido de ser. Assim ele se questiona, ainda que o não faça, sobre o significado de uma ideia. Porque é necessário que ela seja visível, face ao visível da morte. Essa questão da resistência de uma ideia, frente ao nosso destino, devíamos estabelecê-la sempre para lhe avaliarmos a sua compreensão. Ora a morte é inimaginável e só a sua presença imediata a torna mais concebível O cansaço do velho é isso que significa. (...) “


Depois, caro nóbel, a Bíblia ser um “Manual de maus costumes” ? Claro que é !! Pode lá ser estas “poucas vergonhas” ?



“PRIMEIRO CANTO

Anseios de amor

Ela .

2 Sua boca me cubra de beijos! São mais suaves que o vinho tuas carícias,

3 e mais aromáticos que teus perfumes

é teu nome, mais que perfume derramado;

por isso as jovens de ti se enamoram.

4 Leva-me contigo! Corramos!

O rei introduziu-me em seus aposentos.

Coro.

Queremos contigo exultar de gozo e alegria,

celebrando tuas carícias, superiores ao vinho.

Com razão as jovens de ti se enamoram. (...)


O problema, caro nóbel português, é que quatro versos de um Livro do tal dos “maus costumes” , vale bem uma viagem de elefante à procura do ensaio da lucidez, mesmo que ele esteja na caverna, ou no ano da morte de ricardo reis, que sendo uno ou o homem duplicado, tinha todos os nomes na bagagem do viajante e acabou por levantado do chão, titubear perante as intermitências da morte.


Caro nóbel português, você faz-me lembrar aquele escritor que afirmava a pés juntos: “Ninguém em Portugal escreve como eu , a que alguém respondeu : “ Ainda bem. “ (roubado salvo erro a Vergílio), ou aquele outro que a todo o custo queria virar estátua, e isso é aflitivo : não se vai poder coçar!

6 comentários:

Cristina Bernardes disse...

AHAH...

Pedro Areal disse...

Acabo de ler os ultimos três posts...
Que dizer pá? Tás vinagre, tás carranca.

Enfim, receito Nezhmetdinov de manhã e ao deitar durante cinco dias que isso passa.

jad disse...

Embora não tenha uma visão tão catastrófica da escrita de Saramago nem da sua aterosclerose estranho, contudo, tamanho afã naquilo que ele e outros chamam de desmitificação dos mitos (foi defendido na Escritaria em Penafiel). E, claramente, não sabe, não quer ou evita ler a Bíblia.

Mais uma vez: faz bem ler quem escreve bem o que pensa bem. Parabéns.

rabina disse...

Saramago, Saramago... sempre gostei de o ler e da sua inteligência, mas agora ultrapassou-se...Assaz farposo.

Raul Martins disse...

Caro amigo. Há muito que não te visitava.
.
E encheste-me as medidas com este "recadinho". Tem razão o jad: faz bem ler quem escreve bem o que pensa bem.
.
Com a admiração de sempre.

ematejoca disse...

Saramago não tem o calíbre de um Thomas Mann (José e os seus irmãos), no entanto o Caim é um livro pura e simplesmente inofensivo, e a maior parte dos críticos não o leram - são apenas as últimas palavras de um autor em declínio!
Interessante é o Saramago não acreditar em Deus, todavia anda sempre em conflito com Ele.
Não concordo, que ele não saiba, não queira ou evite ler a Bíblia.
Muitas vezes os não crentes
conhecem melhor a Bíblia do que os crentes.
O livro preferido do Brecht era exactamente a Bíblia - ele era comunista e não era crente.
A Bíblia não é o meu livro preferido, no entanto estudei-a a fundo, sendo o Velho Testamento para mim o mais interessante.

É de madrugada (aqui 4.43 horas), portanto termino com esta conversa, que tem pano para mangas, dizendo que os escritores, que menciona também só os considero bons escritores, mais nada!