sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Hallelujah

Não...Não é pelo entendimento a 8. É mesmo Hallelujah!

E por falar de amor. Uma das grandes canções de amor de todos os tempos. Original de Cohen, que a cantou, mas que reconheceu que esta canção é efectivamente a da voz do anjo de asas caídas com breve passagem pela terra, Jeff Buckley, que a interpreta como quem desesperado ama com passagem assegurada para outro voo, como efectivamente aconteceu. Tradição, código genético de desolação interior, como já tinha acontecido com o seu pai, Tim Buckley. Cá em casa gostamos destes anjos, Buckley, Nick Drake, Elliott Smith e, como os anjos não têm sexo, Laura Nyro, Judee Sill, Sandy Denny, entre outros e outras.




video


Hallelujah

Jeff Buckley

Composição: Leonard Cohen

I heard there was a secret chord
that David played and it pleased the lord
but you don't really care for music do ya
Well it goes like this the fourth the fifth
the minor fall and the major lift
the baffled king composing hallelujah

Hallelujah, hallelujah, hallelujah, hallelujah

Well your faith was strong but you needed proof
you saw her bathing on the roof
her beauty and the moonlight overthrew you
she tied you to a kitchen chair
she broke your throne and she cut your hair
and from your lips she drew the hallelujah.

Hallelujah,hallelujah, hallelujah, hallelujah

Baby I've been here before
I've seen this room and I've walked this floor
You know, I used to live alone before I knew you
And I've seen your flag on the marble arch
and love is not a victory march
it's a cold and it's a broken hallelujah

Hallelujah,hallelujah, hallelujah, hallelujah

Well there was a time when you let me know
what's really going on below
but now you never show that to me do you
but remember when I moved in you
and the holy dove was moving too
and every breath we drew was hallelujah

Hallelujah, hallelujah, hallelujah, hallelujah

Well maybe there's a god above
but all I've ever learned from love
was how to shoot somebody who outdrew you
And it's not a cry that you hear at night
it's not somebody who's seen the light
it's a cold and it's a broken hallelujah

Hallelujah, hallelujah, hallelujah, hallelujah
Hallelujah, hallelujah, hallelujah, hallelujah
Hallelujah, hallelujah, hallelujah, hallelujah
Hallelujah


terça-feira, 28 de outubro de 2008

CORPO GEOGRÁFICO...O TEU

Assim, Companheira:

há quem diga que é subtracção, outros soma, para mim foi multiplicação feliz por três, eu que não sou aritmeticamente famoso

E até quem defenda que eles existem para nos lembrarmos que existimos

Os anos, os teus...dar-te o quê, que cada vez vou ficando menos apegado à rigidez pétrea dos tempos do tempo?

Temos conseguido , companheiros de Jornada , a percepção que só a posse do nosso espaço no espaço do outro, na rotina imaginativa da rotina, nos tem permitido as breves ou longas caminhadas, a tal harmonia desarmoniosa de que é feita a construção imaginativa que é o nosso amor.

Assim um sussurro especial nesta minha foto e neste meu texto.


Corpo Geográfico


És linda...

O Corpo ... o teu Corpo... Percorro-o de olhar viajante extasiado,
Pesquiso-o , arqueólogo de desejo.


Corpo curioso...extraordinário Corpo o Teu!
Nele, os elementos primordiais,
Nele o sol – fogo abrasador que me queima a pele e sentidos,
Nele o marítimo encanto onde gosto de mergulhar,
Tocar conchas, anémonas, corais dos seus recantos
Nele o táctil da Terra, o fresco fruto da tua pele-pêssego sedosa
de abrir o apetite,
Nele, o ar- sopro, respiração ofegante, amante de tempestade bravia ou
brisa suave de pacificação.


O teu Corpo intercontinental, geográfico,
Onde aventureiro me perco e encontro, O teu Corpo ,
mapa onde gosto de escolher percursos, caminhos,
sensações.


O teu Corpo mapa – mundi do meu prazer
O teu Corpo...turismo do meu desejo,
Aberto à aventura, à paixão, à Arqueologia do meu Grande Amor!


O teu Corpo... de norte para sul, de sul para norte,
O teu Corpo Rosa – dos – Ventos sempre a apetecer explorar
O teu Corpo...bússola desorientadora do meu divagar


O teu Corpo... tão cheiro a maresia,
Percorro o sargaço dos teus cabelos,
Demoro-me na concavidades róseas das tuas orelhas loucas,
Detenho-me no teu pescoço já fremente,
Estreito – de – Gibraltar...
para outro apetecido continente.


Teu Corpo... beduíno, percorro as areias finas do teu Corpo,
As linhas redondas macias, das tuas pequenas dunas,
As tuas suaves planícies areadas,
os teus mais recônditos oásis.


O teu Corpo, mais a sul de Ti, o desejo a arder...
Mas não, ainda não, ainda tempo para no teu botânico corpo,
Sentir as tuas pernas – árvores enlaçadas nas minhas


O teu Corpo de sinal de terra – prometida,
O teu Corpo sinal no meu,
O teu Corpo, o nosso Corpo explosão aurora boreal, big-bang sideral
O nosso Corpo, em corpo que não aguentava mais corpo


O silêncio, o preenchido silêncio da bonança,


Amor...em que pensas? Gostas de perguntar. Em nada, respondo Eu!
Que é tudo!



Morre-se de Amor? Meu Amor, gostava tanto de morrer de Amor!



terça-feira, 21 de outubro de 2008

Stilo Finito

Pronto, caros e raros leitores, termina aqui a minha breve incursão num estilo, e numa área que sinceramente não me é muito querida, nem para a qual criei este blogue. Existem blogues, fabulosos, sensacionais, exta-ordinários para este debate, para troca de mimos, catapultação de massas, templos de reza de muito docentes. Tentei com humor e sem agressividade pautar a minha posição em tudo isto, mas ao fim de 5 postagens, e algumas leituras, nada mudou em mim. Vou continuar a minha luta interior ( já explicitada noutro post) com ou sem ida a ”Manif” ( e até é provável que vá à de 8, se continuarem as duas) , embora tenha sérias dúvidas sobre a força e resultados práticos das mesmas.


Estou a verificar muitos “jeitosos” em tudo isto, muitos “heróis”, muito samaritano e uns anitos largos de experiência, dizem-me que se as coisas começaram a correr pior do que já estão, os heróis de hoje serão os primeiros ratos do amanhã! Pode ser que me engane, pode ser e...peço com força para me enganar.


Assim num último post sobre esta temática do 8, ou 15 ou “23” mais uma citação tirada desse grande e jovem escritor português Gonçalo M Tavares, esta do “Breves Notas sobre o Medo”. Os outros dois foram : Wilhelm Reich do “Biblioteca” , e o não pertenço a nenhum grupo do “ O homem ou é tonto ou é mulher” .


Aliás de Gonçalo M Tavares de quem Eduardo Lourenço afirmou “ Gonçalo, sim. Que me parece ter um universo muito próprio. Uma escrita fria e brilhante, ao mesmo tempo. Paradoxal. Gosto dele.”, ou Saramago “Gonçalo M. Tavares não tem o direito de escrever tão bem apenas aos 35 anos: dá vontade de lhe bater!" Gonçalo M Tavares sobre quem uma luminária blogosférica, resolveu "dislatar" , enojar, palpitar apoplético, depois de ler um só livro do homem! Edificante, mas de “coltura” literária, ou outras, há indivíduos que...cada tiro, cada passarinho a voar, e ...ainda bem, a favor do ambiente, pois!

Assim:

"Milagre e repetição


Nessas cerimónias e rituais que repetem, com
pequenos intervalos de tempo e com minúcia
extrema, um conjunto de movimentos e fórmulas
verbais, sentes-te como numa farsa — alguém te
promete, por semana, o que nenhum humano
numa vida pode dar.
"

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Senso e Gosto...Precisa-se contra o poder que o não tem

Cada vez mais uma "gostosura" a linguagem docente nos ataques verbais. Desde lambe cus, " enfodado" até F. da p...passando por "panascoso" ( se calhar o homem nem era da minas da Panasqueira), de tudo num processo que alguns poderão ver como de expressão de ferida raiva, e que eu interpreto de outra maneira: o desarranjo mental de alguns docentes, o que vai dando a estes fugazes alegrias e defecção de determinadas frustrações que até poderão ser legítimas, ao poder dará fortes razões para um sorriso à cão " Muttley" (Their Flying Machines).

Depois, caros colegas, se temos razão que a comunicação social não tem prestado a devida atenção à luta dos Professores, se acreditamos que o poder tem pesos pesados em ringue gigantesco a lutar com pesos plumas que somos nós e os nossos blogues a este nível mediático, imaginemos que um Jornalista mais afoito, "cusca" e "chiba", (adoro os termos da "chavalada") , resolve passar os olhos pelos blogues e começa a sacar , o que lhe interessa e se apercebe deste regabofes e isso sai para o exterior!? Queremos perder algum crédito que ainda vamos tendo na opinião pública? Queremos capitalizar e ter a razão e inteligência suficiente para argumentar, destruir pela lógica, pela alternativa, ou queremos ser conhecidos pelos "rascoprofs". Porque nem duvidem, se a opinião pública se virar contra nós, então nem sequer vamos perder a guerra, vamos ser açaimados e tudo!


Desculpem que vos diga, mas que há blogues, tão, tão democráticos, que aquilo descamba para a sanita e não há WC Pato, passe a publicidade que os limpe! Claro que um autor de um espaço destes pode acreditar no bom senso, na intelegência e cultura de quem escreve, só que há colegas que pura e simplesmente estão neuróticos, "doentes", histéricos e sem se aperceberem podem estar a dar tiros fora do alvo. Eu na tropa ( também há quem lhe chame serviço militar) quando um soldado disparava para lado ou para o ar, ou simplesmente apontava a arma à toa, ouvia o sermão terno " Quem não sabe não mexe", ou na versão antiga da canção " está "quietinho, ou levas no focinho".


SOU PROFESSOR, ou sou o quê ? Estão-se a cravar fracturas, abismos, ódios, que nenhuma "grande ou duas curtas" conseguirá apagar. E uma coisa é a linguagem humorada, pícara, de calão quando bem aplicada, a outra é o ronceirismo, a "badalhoquice" a indignidade, a descida ao nível do proxenetismo línguístico! Uma vergonha!
E como hoje estou para a "moral", aí vai: (depois digo de quem), porque esperemos que para 8 ou 15, não haja muito soldado maluco!


Wilhelm REICH


“Um exército de malucos em dois dias atacaria o general e em

três dias atacaria as próprias armas. Daí a inexistência de.


Controlar a energia não é fácil. Não se corta a energia como

se corta o pão, em fatias. Daí que caixas fechadas contendo

potências de movimentos, ou energia embrulhada em papel de

prata, como se fosse chocolate, não funcionem.


Porque a energia é menos aprisionável por ganchos de talho

que uma molécula de oxigénio, e esta é já dos animais mais fu-

gidios.


Se arrancares a cabeça de um corredor de 100 metros não

ficarás com a sua velocidade. Se duvidas, faz a experiência.”