sábado, 24 de dezembro de 2011

RUY BELO, NATAL

A Poesia deste Homem, os seus escritos marcaram-me, marcam-me de uma maneira profunda e especial. Retorno vezes sem conta à Terra da Alegria, que deve ficar perto de Aquele Grande Rio Eufrates. Um texto belíssimo, polémico, mas de um cariz cristão tão certeiro, tão fecundo que deveria ser objecto de reflexão de todos que se dizem cristãos, sobretudo os de sacristia, os soberbos e vaidosos papa-hóstias, os "sacerdotes-lacoste" ou acácios - barrigácios ( e meu deus, como a igreja ainda os vai tendo!).

Um texto longo, de leitura nada fácil, mas de iluminações certeiras e súbitas. "Tremeluzências" nesta escrita maravilhosa de Ruy Belo. Para quem tiver paciência de...

Agora parto para os MEUS, para aquilo que vale a pena. Tudo deles e neles aconchegado em MIM. Pertenço-lhes na infinidade. Nem é uma questão de dádiva, é um questão de SERMOS. Uma família é isto, será sempre isto se o lutarmos de o ser.




REFLEXÕES SOBRE O NATAL

"Aí temos mais uma vez o Natal. Chega inexoravelmente, como o cair das folhas ou a velhice. Veio éramos nós pequenos, vem hoje que a vida passou por nós, continuará a vir amanhã independentemente de nós. O que de nós depende é recebê-lo ou não. Transmitiram-no-lo os nossos pais, olhámo-lo originalmente com esses olhos lavados que trouxemos ao mundo, capazes ainda da grande intensidade de uma primeira visão. Que terá acontecido depois? Os dias repetiram-se, alguma coisa ruiu perto de nós. Continuará a vir o feriado nacional ou a festa da família, mas não há nada que nasça dentro de nós, como antigamente. E, no final do ano, nem teremos coragem de deitar pela janela fora as coisas velhas, porque ficaríamos nus. Foi Natal lá fora, nos outros, mas em nós ninguém nasceu. Talvez ombros alheios nos tenham contagiado uma certa animação por essas ruas engalanadas, um vago sentimentalismo ter-nos-á empurrado para dentro de um comboio, a caminho da família, da quinta ou da aldeia.


Nunca, é certo, o Natal foi tão municipal como hoje. A Câmara interessa-se sinceramente pelos seus vizinhos e manda erguer em sítios bem visíveis presépios colectivos, procede à iluminação feérica das ruas, faz vigiar convenientemente o trânsito. Mas ou não há espaço para uma salutar solidão ou a solidão que nos invade é simplesmente nossa, não há quem, superior a nós, diferente de nós, a povoe. Não sabemos ou esquecemos em nome de quem nos reunimos.


E, no entanto, a vinda de Deus à terra renova todas as coisas. Ai de nós se Cristo não tivesse nascido na nossa terra! Seria inútil e ilusório qualquer outro nascimento. Nenhuma outra cidade nos estaria prometida. A realidade dificilmente aceitável destes pobres dias não encobriria nenhuma autêntica realidade. Esta nossa inadequação ao quotidiano, esta vida quebrada, a desconexão de todos os gestos presentes, de todos estes acontecimentos, esta condição pesada do homem não se poderiam identificar em relação a nenhuma pátria perdida.


Sem Cristo, nem mesmo a história teria sentido ou conteúdo. Cristo reconcilia-nos com Deus, só ele de entre os homens merece atrair a atenção de Deus sobre esta pobre humanidade apeada da sua primitiva grandeza. Ele é o Verbo, a palavra de Deus. Se Deus nos falou pelos profetas é porque nos haveria de falar pelo seu filho. Sem Cristo nenhum homem poderia conhecer Deus nem Deus repararia nos homens. O mundo seria um mundo implacavelmente fechado, entregue às suas rígidas leis. Nesse mundo dito de uma vez para sempre, nenhum rosto nos teria sorrido nem indicado caminho algum.


O Natal é um pouco isto e muitas outras coisas difíceis de dizer assim. Ainda hoje, ou se comemora o nascimento de Cristo ou e inútil comemorarmos os mais belos sentimentos, os mais nobres ideais. A possibilidade de Cristo vir estava no inicio dos tempos Não é por mera questão de ordem que contamos o tempo relativamente à vinda de Cristo. O dia 25 de Dezembro e por isso o centro do ano. Nele se comemora o facto histórico, humano e sobrenatural ao mesmo tempo, que deu inicio a nossa era e conteúdo e significado a toda a história anterior e futura. De tal maneira que o ano de 1959 marca o tempo que decorreu entre a encarnação do filho de Deus e os dias que vivemos. Festejamos uma vinda, um regresso. Nessa donzela da nossa raça que dá à luz um filho, nessa aceitação e reconhecimento generosos de Deus estão todas as nossas grandes capacidades, toda a nossa generosidade. A menor ansiedade quotidiana o menor desejo de renovação que por vezes nos assalta ao virar uma esquina, no meio desta nossa cidade, é símbolo desse desejo de Deus.


Dia 25 de Dezembro, dia de Natal. Só secundariamente se lhe pode chamar dia da família. O que começou por congregar as pessoas foi o Menino Jesus, foi ele que as fez vir de longe, de terras distantes e de absorventes cuidados, para se debruçarem sobre esse Deus desprotegido, mais admirável por essa aceitação por essa confiança no mundo e nos homens do que pela absoluta pobreza em que quis nascer. Só mais tarde, ao levantar os olhos dessa figura absorvente de criança, os membros da família terão reparado que se encontravam unidos. Deixaram de olhar para Deus e passaram a olhar uns para os outros. E assim se veio perdendo o sentido do Natal. De tal maneira que hoje, por esses jornais, por essas simples agendas fora, o Natal tende a ser a festa da família. Esqueceu-se que há uma realidade por trás de todo o movimento de gente que enche os comboios, sobrecarrega de trabalho o serviço dos Correios e requer a intervenção do Grémio dos Lojistas para decretar horas especiais de encerramento do comércio. Na alegria das crianças, no aconchego dos lares, no colorido das ruas, oculta-se um mesmo motivo a aproveitar por todo aquele que não quer virar o rosto às realidades.


Mera questão de palavras? É possível que sim. No entanto, a gramática está longe de ser um instrumento tão inocente como poderia parecer à primeira vista. Por trás da gramática esta a lógica e para além dela a vida. A palavra é um bem perigoso, porque dá testemunho da realidade. É tarefa vã, mas possível e tentadora agir sobre os termos para deteriorar os conceitos e desviar a inteligência e a memória das situações que lhes deram origem. Não se nos antolha coisa fácil modificar do pé para a mão todo um vocabulário que a filosofia e a vida cristã ergueram e fizeram petrificar lá onde mesmo o rosto se desviou; mas não se pode esperar que o homem humilde da rua vá à raiz da palavra beber a vida. Urge facilitar-lhe a tarefa, desimpedir-lhe o caminho.


Purificar os termos, restituir as festas ao seu significado, além de profunda tarefa cristã, é empreendimento de bem e de verdade Não chega acolher no íntimo Cristo, nem sequer homenageá-lo na intimidade do lar. É preciso dar-lhe lugar na vida, abrir-lhe caminho na rua, nestas ruas e caminhos onde ele também se cansou, não como nós nos cansamos dos homens, mas por autêntico e natural cansaço. O Natal não é mera questão de coração ou de sentimento, embora também o seja. Não se trata de um mero «símbolo eterno», como é possível se diga nos jornais e depois o leitor tome como verdade. Não se celebra uma cerimónia, nem tão-pouco se cumpre um simples ritual. Oxalá as crianças pudessem ver nas pessoas crescidas que hoje somos a certeza de um ideal vivido. Haveremos de brincar com as crianças?



Aí se anuncia o nascimento de Cristo, que encontrou um historiador probo e fiel em São Lucas, capaz de satisfazer os exegetas racionalistas do século passado. Festejar é repetir, reviver um acontecimento. Dá por vezes tristeza ver, entre outras coisas, que os cartões de boas-festas chegam a não conter a menor alusão ao Natal Em vez disso, trazem-nos as paisagens geladas do Norte que nenhum coração aquece, mostram-nos árvores que as nossas crianças nunca viram. Tudo isto por se imitar servilmente. Experimente alguém perguntar seja a quem to quem e esse pobre velho de barbas brancas à porta de certas lojas. Pobre Menino Jesus da minha infância! Que é feito desse antigo Natal português, cristão? António Feijó queixar-se-ia hoje desse «Domingo triste, protestante e frio», sentiria porventura saudades dos «Dias santos de sol católico-romanos» ?


Fazer ver estas coisas equivale, parece-nos a nós, a pôr os pontos nos ii. Urge, nestes tempos modernos, aproximar a vida da verdade. Chamar as coisas pelo seu nome é garantir às crianças, que nesta quadra nos olham mais nos olhos, um mundo de amanhã melhor. Temos de restituir as palavras às situações, as festas ao seu significado, as cerimónias ao verdadeiro sentido. O Natal é o Natal cristão. Não há outro. Onde não é Cristo que nasce, não há Natal. Pode a família reunir-se em volta do madeiro, rasparem as crianças o tacho onde se fez o arroz doce, encherem-se de brinquedos os sapatos na chaminé. Se Cristo não nasce, o Natal passará e nós continuaremos órfãos. Não nascemos de novo, porque não nasceu Cristo em nós, na nossa casa, entre a nossa família, na profissão, no trabalho.


Nesta altura, é também de uso aparecerem nos jornais eruditos senhores a discutir. Presépio ou árvore do Natal? — eis um dos temas obrigatórios de disputa. Ainda não há como as crianças para resolverem estes sisudos problemas. Experimentem perguntar-lhes. Responderão certamente: os dois. Ainda o ano passado, houve um desses senhores que sabem muito destas coisas que chamou ao presépio privilégio dos ricos. Talvez não o dissesse por mal, mas para escandalizar este ou aquele, ou para ter que dizer na altura de escrever o obrigatório artigo semanal. Para afirmar uma coisa destas, é preciso desconhecer a cristã origem do presépio. Introduziu-a santo não mais rico do que Francisco de Assis, no ano de 1223. Assim o relata Joannes Joergensen, ao dar-nos a conhecer as palavras com que o santo pobre exprimiu a sua resolução a João Veilita:

«Penso festejar contigo a santa noite de Natal, e ouve lá a ideia que eu tive: no bosque', perto do nosso eremitério, encontrarás uma gruta perdida entre os rochedos; instalas aí uma mangedoura cheia de feno, levas para lá um burro e uma vaca, para ser tudo exactamente como em Belém. Pois quero, ao menos uma vez festejar a sério a vinda do Filho de Deus à ferra e ver, com os meus próprios olhos, como ele quis ser pobre e miserável quando nasceu por amor de nós.»

Foi este o primeiro presépio.


O espírito do Natal é este. Se o vivermos assim, ou se pelo menos tivermos o desejo sincero de examinar a forma como o temos vivido, o Natal não passará em vão. Porque se Cristo nasceu sozinho, também nos não terá aproveitado ele ter nascido. E depois de termos nascido com ele, já não teremos olhos para as coisas deste mundo donde não somos, apesar de estarmos."

Ruy Belo , Obra Poética de Ruy Belo, Volume 3, Editorial Presença

SOPHIA, BRINQUEDOS, NATAL


Mais um belíssimo texto sobre brinquedos, Natal, prazer, maravilhamento.
De Sophia de Mello Breyner, da Revista Eva de 1960

"Eu gostava mais do Natal do que dos presentes. Os presentes baralham-se na minha memória. Deram-me com certeza muito prazer. Mas o prazer esquece. Lembro-me do Natal: porque o Natal não era prazer mas sim alegria e a alegria tem qualquer coisa de eterno.

Só o maravilhamento é eterno.

Por isso o único presente que não esqueci foi uma tradução da “Ilíada” que me deram quando eu tinha doze anos. Mas isso é já no fim da infância."

Sophia de Mello Breyner Andersen, Revista Eva de Natal, 1960

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

BRINQUEDOS...NATAL...Etc eTal


Um mar de gente. Os brinquedos mais do que comprados, sorvidos, escavados das prateleiras numa ânsia de consumo de última hora que mais do que alegria das crianças a quem se deviam destinar, são obrigação de compra, porque tem de ser, porque Natal escondido no dar, está o gastar!

De súbito a lembrança de um belíssimo texto-artigo de Olavo de Eça Leal inserto na revista Panorama nº 12 de 1942 sobre brinquedos. Como tudo o que escreve faz sentido para mim, como tudo é verdade nesta mentira fingida e bacoca em que se transformou o Natal das prendas!

Aqui, parte deste belíssimo artigo e algumas fotos dos meus brinquedos ( e olhem que não sou tão novo assim-no suave plano inclinado de mais de meio século!). Apreciem! E que as vossas prendas sejam um sorriso de um avô ou avó, a rabugice ou queixa terna de Pai ou mãe, a reconciliação com este ou aquele, que o deveria ser com todos e a vida, a lembrança boa, quente e suave dos vossos brinquedos e o o que deles conseguiram construir de imaginação, o sobressalto e agitado adormecer de noite especial que nem existia, os cheiros bons da casa, o afago ou hálito quente do afecto que existiu mesmo ou sonhado por não existir.
Amanhã, quero o Menino Jesus no meio de Nós Convidei-o, e sei que Ele não faltará! Ele sim, o Natal! O Resto? Subprodutos, enfeites, fato idiota de Pai Natal.

Brinquedos Portugueses Para Meninos Portugueses

Em tempos, quando o Menino Jesus, ou tu, faziam anos, a família e os amigos da casa ofereciam-te objectos desconcertantes e inúteis, chamados brinquedos. Tu, está claro, ficavas muito contente com os presentes, por virem embrulhados em papéis vistosos, por constituírem uma novidade, aliás provisória (lamentável defeito da novidade) mas principalmente por ser costume ficarmos contentes quando alguém nos oferece qualquer coisa.

Na verdade, ou seja, no dia seguinte (a verdade só é completa no dia seguinte), verificavas que os tais brinquedos não correspondiam às tuas secretas ambições. Ah! O dia seguinte do brinquedo!

Como é rápida a decadência do brinquedo, uma vez arrancado ao arranjo da montra da loja, onde brilhou, rodeado por outros brinquedos, valorizado por luzes hipócritas. Os brinquedos deviam ficar eternamente nas suas caixas bonitas, ou pendurados no tecto dos estabelecimentos, para serem apontados pelos dedos indicadores dos meninos.


É raro um brinquedo corresponder à imaginação da criança que o recebe. (…)


Olavo d’Eça Leal “ Brinquedos Portugueses Para Meninos Portugueses” in Panorama nº 12, pág-39-41, 1942


Comprada nas Fontaínhas pelo S. João, era o terror dos ouvidos das miúdas da Sé, a quem adorava "atazanar" os ouvidos, mesmo arriscando ouvir (como ouvia) as dezenas de "cara..." e pqpar, ou mesmo a ida para sítio da minha mãe indizível num blogue!

As SAMEIRAS ( qual caricas qual caraças!) que eram embelezadas com nomes de corredores das voltas a Portugal da altura e que eram as "bicicletas" mais velozes das pistas-passeios do granito portuense!


O PIÃO ( E maldito seja quem confunde pião com piasca- NÃO É DO PORTO CARAGO!), o meu pião, a faniqueira, as "quequas", a velhice assumida e garbosa - nele e em mim! Morrer de pé sempre! Nunca quebrar pela base!

O meu yo-yo! Plástico, simples, pequeno! Hoje um enguiço, ontem artista. horas naquele movimento a aprender a rotina do jogo e da vida! Resistia muito! Tal como ele, difícil de enrolar ainda hoje!


A minha BOLA- DE - MEIA. Com Jornal dentro alegria e gáudio de menino de Rua e da Sé que fui e com quem ainda hoje coabito! As de Couro, só para ricos ou sortudos nas cadernetas completas das Victórias com a cobaia , a baleia e o bacalhau! As de Borracha para os remediados e dinheiro à vista na Central da Borracha! As de Plástico, acessíveis, mas de tostão de aforro, por isso, de meia de vidro, ou de dedo esburacado, com jornais e "embrulho por camadas" com nó fino e apertado. Era o artesão mor das bolas de meia da minha Rua do Cativo, solicitado por menino dos Pelames, Bainharia ou Rua Escura.

Fui tanto com tudo isto que é tão pouco! Fui tão feliz, tão puto, tão "ruaçeiro", tão MENINO!
Hoje Homem, Pai, Professor, estas coisas não me largam! Tratamo-nos por tu...SOMOS!

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

FERRAT, Jean outra vez e sempre!



Mas, vamos a coisas sérias, a um homem vertical em tempos de invertebrados. Um Homem íntegro, lutador de uma vida, cuja linguagem de justiça, liberdade, solidariedade, amor, se exprimiu através do poema música, ou da música poema, consubstanciada em canções de uma força, profundidade e beleza como poucas na canção do século XX.


Descriminado, várias vezes barrado na TV francesa ainda nos anos 80, odiado por muitos, mas amado por muitos mais, Ferrat que sempre olhou com desconfiança e contenção para os holofotes da fama, criou uma verdadeira legião de admiradores, de irmãos da mesma causa, de Homens e Mulheres autênticos naquilo que a vida exige de autenticidade, de importância, de dádiva atenta a um mundo que nos é dado como tesouro a preservar e frutificar.



A voz de Jean Ferrat, máscula, belamente timbrada, fazia fluir da melodia palavras cujo sentido sobressaiam como pedras, vento agreste ou de respiro, ave possessa de liberdade.


Meses com a sua música, as suas canções, com os seus discos, principalmente os iniciais da DECCA, ainda descarnados de alguns arranjos sonoros da discografia da Olivi, com dois livros: uma biografia e um estudo musicológico sobre a suas canções. A Biografia de Robert Belleret da editora L'Archipel "Jean Ferrat - Le Chant d'un Révolté" é formidável, esclarecedora, o mais possível rigorosa, arqueológica de uma vida para perceber muito da obra, sem ser intrusiva, "voyeurista", panegírica. O estudo, tese musicológica de Bruno Joubrel " Jean Ferrat - de la Fabrique aux Cimes" é um estudo profundo, um trabalho de pesquisa auditiva e reflexão sobre as canções do "Mestre", como poucos e que constituiu um exemplo de como é possível através da análise técnica e estética e da correspondência entre canção e epoca em que a mesma se insere, trazer mais luz a um artista e uma obra como a de um cantautor como Jean Ferrat.




Assim Ferrat, a voz de Ferrat cá em casa, muitas vezes, como costumam estar Brassens, Brel, Barbara, Gerard Manset, Maxime Le Forestier, companhias constantes nesta bela língua - cultura que tristemente vai sendo sufocada por outros valores e culturas pseudo dominantes .


Ferrat sempre, porque Ferrat é um rio inesgotável, de audição-descoberta, de navegação interior sobre a essência do ser Homem. O mundo precisava de mais cantores, de mais Homens desta extirpe, de vozes como a sua, amplificadas até furar tímpanos e almas neste deserto de ideias, de opções interiores, de "paus-mandados" por "paus-mandantes", de concorrentes humanos aos invertebrados terrestres!



domingo, 18 de dezembro de 2011

Dejetos


Ainda a respeito de conselhos de emigração para docentes de desemprego futuro...

Grande raiva grassa na minha classe...em mim não!

Nas minhas ruas de menino portuense costumava dizer-se alto e bom som para estupidez entranhada:

"Só ligo a merda quando estou distraído! " Não estou, nunca estarei com peraltas desta laia.

Depois pense-se no fenómeno: o dejeto saiu num processo de inversão muito comum em político, não pelo peso normal da gravidade em cavidade respetiva, mas numa outra que deveria estar fechada nos sintomas de diarreia mental.

Depois e ainda : como ligar a um fedelho imaturo, inculto, um "quequezito de apartamento" que não sabe, nunca soube o que é trabalhar no duro e suar o pão que o diabo amassou?

Na...Enganam-se os "parvinhos" dos meus colegas que acham que o fedelho imaturo é diferente do grande aldrabão compulsivo!! São levedura-massa fermentada na mesma masseira.

Mas há mais dejetos e um em particular faz-me sorrir tristemente porque vem de um blogue pretensamente de um docente e para a classe docente e que se diz de referência e até unha e carne com o poder instituído. Muito do que é lá escrito é de uma estupenda e magnânima estupidez, quando não de insulto abjeto aos professores. Mas o meu sorriso triste para esses dejetos advém de perceber, com os meus parcos conhecimentos de psiquiatria e análises longas ou curtas, que o individuo que as escreve está mentalmente em desagregação, num processo psicótico que até dói por baixo de algumas coisas que escreve. Conheço um excelente Psicanalista em Boston e até estaria disposto a peditório e tudo para o senhor... É que não sou nada a favor da Psipsiquiatria medicamentosa, pronto!

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

DÚVIDA POUCO METÓDICA




Sou apoquentado vai para semanas com uma dúvida que nem dormir me deixa:

Qual a diferença entre um canalha mentiroso patogénico-compulsivo e um garoto aldrabão patológico - progressivo?

Depois de muito ler, de muito programa pesquisar, outra dúvida não me larga:

Porque razão uma tal Socialista Democracia, uma Social Democracia e uma Democracia Cristã se transformaram de mulheres honestas em rameiras decadentes nas mãos de proxenetas políticos sem vergonha?

Depois...depois de muito me rir da incultura política de muito professor (a), ainda me resta perguntar perante o panorama ( talvez por isso o "desestruturado humano e pedagógico" queira acabar com a História) : Duvidam ainda da existência de Classes ? Querem que faça um desenho? Não faço!

Ao que chegaram muitas das democracias europeias! Ao que as deixamos chegar!

Mas pronto, tudo passa, até ao próximo arrebite, à próxima indignaçãozinha, ao próximo desemprego de mobilidade, desde que o nosso não seja, até a um próximo orçamento retificativo que nos levará mais 5 a 10% do salário, até à nossa capitulação para a devida, obrigada e patriamorosa capitalização.

Podeis tirar-me tudo, tirar-nos tudo, porque do vosso vazio d'alma e inteligência nada nos pode alimentar, porque como o Sena dizia no seu "Camões..."
(...)
Nada tereis, mas nada: nem os ossos,
Que um vosso esqueleto há-de ser buscado,
Para passar por meu. E para os outros ladrões,
Iguais a vós, de joelhos, porem flores no túmulo.

Ah! O resto, os comentadores, ex-governantes, economista encartados e sem ela opinion qualquer coisa, politólogos, emerdadores das almas, "martelos" , conselheiros e olheiros, vendedores de banha da cobra, Mirantes Bic-vapouruv, editores de, cobridores de outros tantos, e por aí fora ...façam um favor tremendo a uma raça que muito aprecio, DEIXEM-NOS EM PAZ!

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Ya sin pásion, yo no sé para qué sirve mi corazón

Cantava ela, esse frágil-forte "anjo errante".

Dos cartazes mais inteligentes na marcha da indignação que participei com toda a família : "desliga a Televisão, liga o cérebro" .

Assim seja. Hoje, em legítima defesa, longe do colossal robótico e retardado mental que numericamente nos desfaz contas à vida, afastado do coelhinho pascal que do chocolatinho branco prometido, vai desnudando de mentira em mentira as amêndoas amargas com que nos vai presenteando, longe do "numéricoignorantepedagógico" que de plano açaimado quer rebentar com a escola pública, longe enfim, do "plante que o João garante" que nem planta, nem garante ainda que seja repolho constitucional.

Longe destes medíocres, desta estardalhada de mediocridade política, destes cavalares comentadores picadoras falantes que nos vão furando tímpanos e paciência.

Sim... com Lhasa, com esse apaixonado pássaro-cristal de coração sensível que a vida levou para outras planuras, mas também com Patrick Watson e os Esmerine na sua homenagem-respiração " Snow day for Lhasa" que serve de fundo ao pequeno vídeo. Enfim, com esse livro de poesia tão rasante de beleza e inspirado em Lhasa " Small Song", de Renata Correia Botelho.

SOON THIS SPACE WILL BE TOO SMALL

ela já o sabia e deixou-nos,

na sua lucidez de pássaro,

várias pistas. recolhi por isso

o mais que pude - chuvas e mares

e a melodia verde da minha casa -

a caminho desta caixa,

que em breve será pequena

para tanta ventania.


junto aqui o meu

ao grande eco das colinas,

morro três vezes até traçar

no coração cansado do mundo

a minha rua. há pouco,

quando a terra começava

a correr-me quente nas veias,

disse devagar as três palavras

e tudo aconteceu exactamente como ela canta.

(Renata Correia Botelho)


video