quarta-feira, 14 de maio de 2008

LÍNGUA DE SILÊNCIO

(Blue Velvet)

LÍNGUA DE SILÊNCIO


Respiro este maravilhoso, estranho silêncio...

Sinto que me fala uma linguagem marítima e sensual.

Amo-o com os olhos carregados de chegada lonjura,

aspiro-lhe o cheiro acre e forte, feminino...

Ouço-lhe a voz ondulante de melopeia infantil,

Liquefaço-me de sonho para o amplexo desejado...

Refreia o meu desejo com a sua canção terna e ritmada do desfazer-se em espuma...

Um grande amor não se possui...

espraia-se suavemente em marulhares sucessivos de marés!

O meu coração sonda o seu silêncio sussurrante...

Capto a melodia "sou de quem me quiser amar no afogamento cego de mim!” .

Que sim...menino líquido que sempre fui !

Sorriu-me...

Uma onda mais rebelde veio selar o nosso pacto de amor

para sempre.

(Existente Instante)

4 comentários:

Carmo Cruz disse...

Sabes, Existente Instante, um dia, teria os meus 15 anos, recebi pelo correio uma revista aqui publicada em Luanda (a Notícia), com uma marca numa página. Trazia um poema que me era dedicado, de um anónimo, e dizia assim: "Voltaste, mas voltaste silenciosa e fria, como voltam à noite
as águas negras da baía.
Voltaste, voltaste, sim,
mas não voltaste para mim!"
Pois, mas tu, com esses olhos de mistério, quando voltas, voltas para todos nós, os que te apreciamos e te esperamos como a uma dádiva.
Um belo e incomum Poema de Amor. Nunca será demais cantá-lo. Eu canto-o nas versões possíveis,e depois logo se verá...
Um Abraço, Existente e obrigada por existires e pelos instantes que nos proporcionas. Amanhã, se tiver tempo, vou postar uma história sobre crescimentos ocultos de que me lembro quando me lembro de ti. Carmo

JMA disse...

Leve, breve, suAVE...
É assim o amor?

Carmo Cruz disse...

Será assim o Amor?
Perguntas tu, Zé, se é assim o Amor? O Amor toma tantas formas, tem tantos matizes, entra em nós por tantas portas que desconhecíamos possuir! O Amor é suave e duro, sensível e violento, profundo e leve, longo e breve.
O Amor, meu Amigo, fere e cura, mata e faz-nos viver de novo, adormece-nos e acorda-nos para a Vida e para o Sonho.
Mais, o Amor não tem idade e é Amor em todas as idades. Encontra-lo nas mãos unidas de dois velhotes a ver um filme ternurento, no carinho com que um ampara o outro a caminho do banco do jardim, da ida ao quiosque dos jornais, da visita ao Centro de Saúde.
Em nome do Amor se praticam ignomínias, em nome do Amor se aceita expiar pecados alheios, por Amor a Alguém cortamos, recortamos e sangramos o nosso coração. Mas por muito duro e difícil que seja Amar, não sei como se pode viver sem sentir Amor.

Raul Martins disse...

Apenas sei:
Amor que é amor nunca morre!