sexta-feira, 16 de maio de 2008

MimEu



Comovido, fixo-te menino de mim no que fui, sou

Não me consegues enganar. O mesmo sorriso, a mesma ânsia d’olhar

A mesma boca aberta ao fascínio da respiração

Fina tessitura te reúne ao meu eu uno e disperso

Acompanhas-me desde sempre na criança que fuisou, intemporal, por isso

Assim envelheço sem pressas, conduzindo-te criança de mim em suave declive

Por caminhos, veredas, marítimas enseadas, campos sonhados de papoulas

Fui...Sou...Eu...Mim no tempo que flui , Existente Instante que nele flutua

Ecce homo.

8 comentários:

alberto mondim disse...

Fabuloso grane capacidade literaria

Carmo Cruz disse...

Existente Instante, deixa ficar o que sinto dentro de mim. Para não macular a tua bela e profunda Identidade. Um abraço orgulhoso da Carmo

Raul Martins disse...

"...entre aquilo que poderei definir, estilo "menino Jesus"...
Simplesmente!
Carpe diem!

Manuel Martins disse...

Óptimo Blog textos muito comoventes

Anônimo disse...

Fizeste anos?!

Se foi o caso Parabéns, a minha filha também fez, no dia 15-05!

Abraço do amigo
A.Castanheira

emd disse...

O seu é um dos blogues em que tenho pudor de comentar. Não porque não me apeteça, terrivelmente. Antes porque tudo o que me ocorre dizer é tão banal face à qualidade da forma e da substância do que leio.
Possivelmente estarei a amordaçar a criança, com a boca aberta de espanto, que me habita.

Raul Martins disse...

Será que o A. Castanheira tem razão... Se assim é... os meus parabéns... e se não for... os parabéns na mesma, porque existes e partilhas connosco o teu viver.

Existente Instante disse...

Anos, só de aqui a dois meses, mas por antecipação obrigado!
Castanheiro, Grande Amigo, não de dão parabéns por atraso, mas com atraso parabéns!
Estou a preparar umas coisas sobre o Lasker, para aqui e a Luso Xadrez.
Que bom ouvir o sabor da tua escrita voz!
Amiga emd, não tenha problemas.Nada é banal, quando é natural.
Obrigado a todos pelos comentários. Recolho-os na humildade de mim, e naquela parte do coração indefinida, que só sei chamar "o meu lado bom".